terça-feira, 4 de outubro de 2016

Conversas d'Ouvido com Um Corpo Estranho


Um Corpo Estranho são um duo nacional, proveniente de Setúbal, composto por João  Mota e Pedro Franco, que se assumem como contadores de anti-estórias. A sua sonoridade não se limita a um único adjectivo, revestindo-se de folk e rock, estabelecendo uma ponte entre a música tradicional e a música alternativa. Aproveitando o lançamento do seu segundo disco, Pulso, lançamos o desafio aos Um Corpo Estranho, para participaram numa "Conversa d'Ouvido", connosco e prontamente aceitaram. Podem ficar a conhecê-los um pouco melhor nas linhas que se seguem...


Ouvido Alternativo: Como surgiu a paixão pela música?
PedroSomos filhos dos anos 80. Vivemos a nossa infância nessa década recheada de videoclips e de músicas orelhudas. Nessa altura os artistas eram vistos quase como super-heróis divinos e intocáveis e isso era fascinante. Depois apareceram os anos 90 e com isso a nossa adolescência… A música alternativa estava em ebulição e isso foi o rastilho para começar a querer pegar na guitarra e querer fazer canções.
João… O meu pai é fadista amador e as mulheres da minha família sempre fizeram jus ao chavão “quem canta seus males espanta”, inclusive a minha mãe trocava as letras todas por coisas inventadas por ela. Acho que começou logo no berço…

Como surgiu o nome Um Corpo Estranho?
PedroNão foi imediato. Andávamos indecisos com alguns nomes mas acabamos por escolher este talvez por tanto eu como o João estarmos a fazer música que não nos era familiar. Ambos gostávamos do que andávamos a escrever mas o resultado final nunca poderia ter sido feita por nenhum dos dois individualmente. A esse novo ser híbrido decidimos chamar “Um Corpo Estranho”.

Recentemente editaram o novo disco, “Pulso”, o que podemos esperar?
JoãoAs canções de “Pulso” são, ao fim ao cabo, relatos de viagem e impressões do universo da personagem “Um Corpo Estranho”, que tem uma moral muito própria, e se move num mapa repleto de mitologias e de possibilidades. Era algo já existente no primeiro disco, que creio ter maturado neste novo capitulo.
PedroPodem esperar boas canções. Pelo menos é isso que tentamos fazer. Boas canções que aguentem o teste do tempo. Se isso vai acontecer já não sabemos dizer…

Conseguem explicar-nos como se desenvolve o vosso processo criativo?
JoãoParte sempre do quotidiano, como qualquer obra de ficção. Se existe algo que queremos abordar fazemo-lo de forma a que faça sentido para os dois, até que a certo ponto se torne estranho o suficiente para os dois e se transforme numa coisa com vida própria.
PedroRegra geral gostamos de compor numa fase inicial em separado. Enviamos algumas ideias um ao outro por email que vamos desenvolvendo e quando achamos que os temas valem a pena juntamo-nos para lhes dar vida.

Para além da música, têm mais alguma grande paixão?
PedroOs filhos.
JoãoA vida.

Qual a maior vantagem e desvantagem da vida de um músico?
João: A desvantagem é a mesma de qualquer freelancer ou trabalhador precário. Ainda assim, o lado negro da vida sempre soube bem servir de esqueleto às mais luzidias das canções. Penso que se assim não fosse o mundo da música seria bem mais pobrezinho. De qualquer forma ainda há muito caminho por desbravar, sobretudo no que toca à dignidade da profissão, ainda vista como algo lateral com que se ocupa os tempos livres. “O que fazes para além da música” é uma questão que ainda se coloca em qualquer conversa de ocasião, ou seja, no imaginário popular, um músico ainda é um pelintra, ou um bon vivant.

Quais as vossas maiores influências musicais?
PedroEsta nunca é uma resposta fácil. Poderia citar muitos uma vez que o que tocamos é o resultado do que ouvimos desde crianças. Mas para não fugir à pergunta diria Björk, Tom Waits, Jeff Buckley e White Stripes.
João… já na nossa língua encontramos o azimute na música do Zeca Afonso, António Variações, Amália, Cesária Évora, Chico Buarque… enfim todo um mar que flui…

Como preferem ouvir música? CD, Vinil, K-7, Streaming, leitor mp3?
PedroPessoalmente não tenho preferência. Continuo no entanto a gostar de ouvir discos na totalidade. 
JoãoA preferir mesmo, sempre que posso, é directamente do músico, ao vivo e a cores e a respirar do mesmo ar.

streaming está a “matar” ou a “salvar” a música?
PedroAinda estamos num meio de um turbilhão. Toda a gente se está a tentar adaptar a estes novos tempos. As opiniões divergem muito… Se por um lado o acesso à musica nunca foi tão fácil, por outro o que o streaming paga é insuficiente para um músico tirar dividendos justos. É esperar para ver.

Qual o disco da vossa vida?
PedroJeff Buckley – "Grace
JoãoDitto.

Qual o último disco que vos deixou maravilhados?
PedroRodrigo Amarante – "Cavalo"
JoãoDitto.

O que andam a ouvir de momento/Qual a vossa mais recente descoberta musical?
PedroAtualmente ando a ouvir o último dos The Kills e dos The Last Shadow Puppets.
JoãoLéo Ferré, ando a desenterrar os clássicos

Qual a situação mais embaraçosa que já vos aconteceu num concerto?
PedroNão me lembro de nenhuma em especial. Mas damos muitas notas ao lado que tentamos disfarçar airosamente. Lembras-te de alguma João?
JoãoEsquecer-me da letra de um tema… ou engasgar-me na altura que tinha de dar uma nota mais alta…

Que músico/banda já vos desiludiu a nível musical/ou em concerto ao vivo?
PedroAtualmente já não me desiludo assim tanto porque aceito que um artista ou banda não tem que fazer o mesmo disco o resto da vida. São eles que se têm de reinventar para manterem a chama viva. Não deixo de gostar de um artista se um disco não me agrada. Prefiro olhar para a carreira como um todo e não para momentos particulares.
JoãoDesilude-me a efemeridade, saber que aquele músico já não vai escrever mais nada, vimos partir no último ano demasiados nomes da música e das artes em geral. É algo inevitável com o qual dificilmente faço pazes…

Com que músico gostariam de efectuar um dueto/parceria?
PedroDiria a Lhasa mas infelizmente isso já não é possível.
JoãoSe os enumerasse ia ser uma espécie de “We are the world”.

Para quem gostariam de abrir um concerto?
PedroTom Waits
JoãoJosé Cid.

Em que palco (nacional ou internacional) gostariam um dia de actuar?
JoãoEstádio do Vitória de Setúbal.
PedroAhahaha... Não posso competir com isso. Estádio do Vitória parece perfeito!

Qual o melhor concerto a que já assistiram?
PedroNão sei dizer qual o melhor, mas gosto sempre de ver o Patrick Watson ao vivo. De todas as vezes que o vi saí sempre com a alma cheia.
JoãoTive a sorte de ver o concerto de apresentação do álbum “Ok Computer” dos Radiohead no Garage em 1996. Depois disso tornei-me demasiado velho para achar melhor qualquer concerto. São todos bons e alguns muito bons.

Que artista ou banda gostavam de ver ao vivo e ainda não tiveram oportunidade?
PedroA Björk.
JoãoMr. Tom Waits.

Qual o concerto da história (pode ser longínqua, mesmo antes de terem nascido) em que gostariam de ter estado presentes?
PedroNão querendo sair do nosso país diria os concertos de Nirvana ou Pantera no pavilhão dramático de Cascais. Ainda hoje penso nisso… Ao ponto de ter comprado os bilhetes originais desses concertos no OLX.
JoãoZeca Afonso no Coliseu, Jimmy Hendrix no Woodstock, os dois no mesmo dia, se a máquina do tempo não avariar pelo caminho.

Qual o vosso guilty pleasure musical?
PedroMúsicas com falsetes.
JoãoUm Corpo Estranho.

Projectos para o futuro?
PedroContinuar a promoção deste disco, continuar o processo de composição do próximo disco e começar a escrever mais uma banda sonora para uma peça de teatro/bailado a convite de um grande amigo nosso.

Que pergunta gostariam que vos fizessem e nunca foi colocada? E qual a resposta.
Pedro“Como se consegue conciliar a vida pessoal com a profissional com a musical?” Resposta: Caos Total!!!
João“Que pergunta gostariam que vos fizessem e nunca foi colocada?” – Esta mesmo, meus amigos.

Que música gostariam que tocasse no vosso funeral?
PedroA vida é demasiado curta para pensar no meu funeral. 
João"Politicamente Incorrecto" - Ena Pá 2000.

Obrigado pelo tempo despendido, boa sorte para o futuro.

Terminamos ao som de "Scarlett", mais um tema extraído do mais recente disco Pulso.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Follow by Email