sábado, 8 de outubro de 2016

Conversas d'Ouvido com Daniel Lima


Daniel Lima é um dos mais promissores músicos brasileiros da actualidade, recentemente editou o disco "Inside My Dreams". Inicia hoje uma mini-digressão pelo nosso país, aproveitamos esta passagem por Portugal para o conhecermos um pouco melhor, na mais recente edição das "Conversas d'Ouvido"... 

Ouvido Alternativo: Como surgiu a paixão pela música?
Daniel Lima: Dizem que comecei a “tocar bateria” nas almofadas do sofá da sala e a dizer que seria cantor desde os 3 anos de idade. Mas aos 9 anos alguns episódios marcaram e definiram minha paixão pela música: completei a coleção dos Beatles em vinil, assisti ao Rock in Rio 1 pela televisão, e ganhei meu primeiro violão.

Consegues explicar-nos como se desenvolve o teu processo criativo?
É um processo mutante. Cada vez se dá de forma diferente, podendo iniciar por um verso, um riff de guitarra ou um padrão rítmico. E pode tanto se desenvolver, à partir da primeira ideia, de forma quase mágica, quanto também exigir um maior esforço, até que eu consiga desvendar onde aqueles primeiros sinais querem me levar.

O que esperas destes primeiros concertos/showcases em Portugal?
Tenho ótimas expectativas. Acredito que o público português seja apaixonado por música e que também dedicam um grande respeito aos artistas. Espero que as pessoas se interessem pelos showcases, se envolvam e se identifiquem com a minha música.

Para além da música, tens mais alguma grande paixão?
Viajar e conhecer novos sons.

Qual a maior vantagem e desvantagem da vida de um músico?
Um músico conquista a liberdade quando reconhece e assume sua vida artística e paga um preço alto por esta liberdade, de várias formas. Mas tenho convicção de que vale a pena.

Quais as tuas maiores influências musicais?
Tenho 2 pilares bastante principais: The Beatles e Pearl Jam. O primeiro marca minha descoberta da música na infância. O segundo marca a descoberta, na adolescência, que ótima música estava sendo feita enquanto eu vivia. Mas existem muitas outras influências que flutuam ao redor: Elvis, Clapton, Sinatra, Counting Crows, Doors, Chris Cornell, Glen Hansard, etc. E sempre há espaço para novas descobertas.

Como preferes ouvir música? CD, Vinil, K-7, Streaming, leitor mp3?
Não tenho apego ao suporte físico, desde que venha me trazer música de qualidade, com qualidade de áudio.

O streaming está a “matar” ou a “salvar” a música?
Como ouvinte e fã de música, o streaming me salvou. Eu passei alguns anos sem comprar CD's, pois as lojas no Brasil vinham encerrando as atividades e as restantes não traziam mais novidades. Ao abraçar um serviço de streaming, voltei a escutar música, resgatando antigos álbuns e a cada dia descobrindo mais artistas incríveis.
Como artista, o streaming me possibilita distribuir e compartilhar minha música a um público bem maior, visto que a venda de CD's, especialmente de um músico independente, vem ficando cada vez mais limitada.

Qual o disco da tua vida?
The Beatles – “White Album”

Qual o último disco que te deixou maravilhado?
Beck – “Morning Phase”

O que andas a ouvir de momento/Qual a tua mais recente descoberta musical?
Na última semana andei ouvindo Tony Bennet e Dean Martin, descobrindo incríveis gravações destes artistas por streaming. Algumas bandas mais contemporâneas que venho ouvindo muito são Band of Horses, My Morning Jacket e Alabama Shakes.

Qual a situação mais embaraçosa que já te aconteceu num concerto?
Já me aconteceu duas vezes ter um instrumento quebrado durante um show. No momento do acidente, a vontade é de gritar de raiva e tristeza, mas o show precisa continuar. E com o público testemunhando o acidente, a situação é embaraçosa.

Que músico/banda já te desiludiu a nível musical/ou em concerto ao vivo?
Voltando aos meu dois pilares de influências: O primeiro show de Paul McCartney que vi, foi mágico. O segundo, 1 ano depois, me decepcionou um pouco, pois o repertório foi idêntico e até mesmo as piadas que ele contou entre as músicas foram as mesmas.
Eddie Vedder, em seu show a solo, não estava em boa forma vocal, deixando um pouco a desejar.
Enfim, nada que tenha me feito deixar de admirar estes artistas, mas certamente os deixa mais humanos aos meus olhos.

Com que músico gostarias de efectuar um dueto/parceria?
Glen Hansard

Para quem gostarias de abrir um concerto?
Damien Rice

Em que palco (nacional ou internacional) gostarias um dia de actuar?
Qualquer grande festival, como Lollapalooza ou Rock in Rio.

Qual o melhor concerto a que já assististe?
Counting Crows NYC 2009

Que artista ou banda gostavas de ver ao vivo e ainda não tiveste oportunidade?
The Black Crowes

Qual o concerto da história (pode ser longínqua, mesmo antes de teres nascido) em que gostarias de ter estado presente?
Elvis em Las Vegas

Qual o teu guilty pleasure musical?
KC and the Sunshine Band

Projectos para o futuro?
Depois do “Inside My Dreams”, lancei digitalmente o single “Last Forever” e recentemente o álbum de releituras “Peregrino Sessions”, gravado ao vivo em estúdio, com os músicos que me acompanham em shows.
Em 2017, pretendo começar a produzir outro álbum de inéditos e intensificar o trabalho de divulgação da minha música fora do Brasil.

Que música gostarias que tocasse no teu funeral?

Obrigado pelo tempo despendido, boa sorte para o futuro.

Terminamos ao som do single "Last Forever".

1 comentário:

  1. Maravilhosa esta Conversas d'Ouvido! Ótimo gosto musical de Daniel Lima! Perfeita a música Last Forever! Intensa, sonora, já faz parte da minha lista de preferidas! Boa sorte ao musico... certeza de sucesso!!!

    ResponderEliminar

Follow by Email