sexta-feira, 30 de março de 2018

Conversas d'Ouvido com Whales

Entrevista com a banda portuguesa Whales, trio proveniente da artística cidade de Leira e composto por Vasco Silva (bateria/voz), Roberto Oliveira (guitarra, teclas, voz) e Pedro Carvalho (voz, teclas, baixo). Cativaram a nossa atenção com o primeiro single "Big Pulse Waves", em 2016, nesse mesmo ano venceram o mítico Festival Termómetro. Recentemente editaram o aguardado disco homónimo de estreia com o carimbo da Omnichord Records. Aproveitando este lançamento desafiamos os Whales, a participarem em mais uma edição das "Conversas d'Ouvido", pela voz de Pedro Carvalho...

Como surgiu a paixão pela música?
Pedro Carvalho: Desde muito cedo que a música esteve presente nas nossas vidas, sempre fez parte do nosso quotidiano. Com a idade a paixão foi crescendo, começámos a aprender a tocar um instrumento e mais tarde quisemos criar alguma coisa. Depois de todas estas reviravoltas surgiram os Whales.

Como surgiu o nome Whales?
São seres enormes e majestosos, cantores do gigante oceano e por isso achamos que seria um bom nome para nós.
Whales - "Whales"
Editaram recentemente o disco homónimo de estreia, para quem ainda não ouviu o que podemos esperar?
Podem esperar um misto de energia pura e direta com sentimento e suavidade.

Nice Weather For Ducks, First Breath After Coma, Les Crazy Coconuts, Born a Lion, Surma, mas afinal o que é que Leiria tem de tão inspirador?
Existe uma comunidade pequena, mas empenhada. Somos todos amigos e vemo-nos praticamente todos os dias, é fácil conseguir motivação para começar a fazer alguma coisa. Acho que foi um bichinho que mordeu toda esta gente. (risos).

Como gostas de descrever o vosso estilo musical?
Electronic Dance Music com cheirinhos de rock.

Para além da música, têm mais alguma grande paixão?
Existem muitas coisas que adoramos fazer além da música, mas essa é a nossa grande paixão.

Qual a maior vantagem e desvantagem da vida de um músico?
A maior vantagem é pisar um palco e sentir que todo o trabalho feito é recompensado - quando vês que o público adere e gosta da tua música, quando a energia em cima de palco é transmitida a 100% para quem está a assistir. A desvantagem é a instabilidade desta vida, a dificuldade em conseguir viver da música é muito grande.

Quais as vossas maiores influências musicais?
Essa é uma pergunta difícil pois todos ouvimos várias bandas e artistas. Tudo o que gostamos pode ser uma influência, é difícil dizer quais as maiores.

Como preferem ouvir música? Cd, vinil, k-7, streaming, leitor mp3?
CD. Sempre que podemos compramos. Mas pela facilidade o streaming é o mais utilizado por nós.

Qual o disco da tua vida?
"Hurry Up, We’re Dreaming", dos M83.

Qual o último disco que te deixou maravilhado?
"The Mix", dos Kraftwerk.

O que andas a ouvir de momento/Qual a tua mais recente descoberta musical?
São várias, mas assim de repente The Blaze.

Qual a situação mais embaraçosa que já vos aconteceu num concerto?
Quando o nosso equipamento falhou duas vezes seguidas na mesma música. Tivemos que passar para a próxima sem termos acabado de tocar a anterior.

Com que músico/banda gostariam de efectuar um dueto/parceria?
Weval, acho que seria interessante.

Para quem gostariam de abrir um concerto?
M83.

Em que palco (nacional ou internacional) gostariam um dia de actuar?
Glastonbury, ia ser épico!

Qual o melhor concerto a que já assististe?
LCD Soundsystem no Paredes de Coura.

Que artista ou banda gostavas de ver ao vivo e ainda não tiveste oportunidade?
Moderat! Espero que voltem em breve.

Qual o concerto da história (pode ser longínqua, mesmo antes de teres nascido) em que gostarias de ter estado presente?
Nirvana, quando vieram a Cascais em 94.

Tens algum guilty pleasure musical?
Aquela eletrónica manhosa dos 90’s, como por exemplo Haddaway.

Projectos para o futuro?
Tocar, tocar e tocar. Chegar ao maior número de pessoas possível.

Que pergunta gostariam que vos fizessem e nunca foi colocada? E qual a resposta.
Querem vir tocar ao Glastonbury? A resposta é obvia, FUCK YEAH!!!

Que música de outro artista, gostarias que tivesse sido composta por ti?
"Time to Kill", dos Gold & Youth.

Que música gostarias que tocasse no teu funeral?
"Forever Young", dos Alphaville, melhor descrição para um dos meus lemas de vida.

Obrigado pelo tempo despendido, boa sorte para o futuro.

Terminamos ao som do disco homónimo de estreia, editado este mês e que se encontra disponível para escuta através da plataforma Bandcamp.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Follow by Email